Resenha: livro "Quando a selva sussurra"

Olá pessoal, tudo bem? O livro da resenha de hoje é "Quando a selva sussurra - contos amazônicos", publicado pela Editora Selo Lendari em 2015, reunindo 22 contos baseados em lendas amazônicas, contando com 15 autores (sendo 13 de Manaus e 2 de São Paulo).

Resenha, livro, Quando a selva sussurra, contos amazônicos, editora Selo Lendari

 No livro, várias lendas da Amazônia são citadas, alguns contos falam sobre o surgimento desses seres lendários, outros falam de suas aparições, do embate entre lenda e homens, e algo que pude perceber em alguns textos foi a ideia de que talvez, nós, humanos, estejamos nos tornando mais perigosos e mais cruéis do que as temidas lendas.

 "Os monstros da mata não conseguiriam competir com os homens da cidade." (página 13, "Mapinguari Urbano", Alcides Saggioro Neto)

 Acho que a lenda do boto é uma bem conhecida, com a história dos homens sedutores que surgiam de noite, conquistavam as moças e depois sumiam, deixando mulheres grávidas e filhos sem pai. O conto "Filhos de boto", da Patrícia Ferreira, me fez pensar como essa lenda pode ter sido usada para mascarar a cruel verdade sobre a paternidade dessas crianças, seria melhor dizer que uma criatura sobrenatural era a responsável.

Resenha, livro, Quando-a-selva-sussurra, contos-amazônicos, editora-Selo-Lendari, ilustração, folclore, boto


 Confesso que esperava algo mais leve, mais mágico, contos mais felizes (como algumas dessas lendas me foram apresentadas na época em que, todo ano, fazia trabalhos sobre o folclore na escola), porém, "Quando a selva sussurra" tem um estilo mais sombrio e pesado, com desfechos mais trágicos, e mesmo assim, interessantes.

 "A promessa de Boró era que ela sempre estaria na escuridão para iluminar o caminho de Curó, e que ele, tal como ela, não precisaria mais temer a noite." (página 96, "A índia que não temia a noite", onde Mário Bentes que fala sobre o surgimento da Lua)

 "Daniela suspirou, decepcionada. Esperava respostas coerentes e não um roteiro de conto folclórico. Ficou imaginando como explicaria ao chefe que o Curupira era o principal suspeito do crime." (página 118, "Os mistérios dos corpos rasgados", o texto de Andrés Pascal, que tem uma narrativa super ágil)

 Eu ainda não conhecia algumas lendas, como a da Matinta Perera (velha que se transforma em ave agourenta e insistente ao desejar algo) abordada em "Suindara Maldita" do Raphael Alves (onde Rui escutava histórias sobre ela quando era criança, mas não imaginava que a encontraria no futuro, muito menos que conviveria com ela) e "A Casa 26" de Rossember Freitas (um dos meus preferidos, que fala sobre Viviane e sua avó, que se mudaram para uma casa assombrada, só o fato de ela estar próxima ao cemitério já poderia ser um indício disso, mas ainda tinha um gato estranhíssimo lá). A palavra "anhangá" não me era estranha, e foi interessante vê-lo no conto "A longa noite de Antônio Félix", onde Maria Santino fala sobre Félix, um caçador valentão que, certa noite, pagou o preço por suas maldades. Os contos sobre as Amazonas também foram interessantes para mim.

 "Não sei o que mais me enfeitiçou: o caldo ou seus olhos..." (página 110, "Olhos de Icamiabas", Attaíde Marttins)

 A degradação e a preservação da natureza também são temas de alguns textos.

 "Não há como deter o processo evolutivo, os homens ainda não compreenderam isso, jamais entenderam que eles é que são os estrangeiros, alienígenas, os corpos estranhos em um mundo perfeito. Eles é que são os detratores da beleza, os massacradores de vida... mas é natural tudo ter um fim! Faz parte da vida caminhar para a morte." (página 143, "Lauaretê", Virgínia Allan)

 Enfim, não é possível falar sobre cada conto separadamente, pois o post ficaria enorme, mas espero ter conseguido passar um pouco da essência da obra. "Quando a selva sussurra" não se tornou um favorito como os dois últimos livros do gênero que eu li ("Eu me ofereço" e "Respeite o medo"), mas eu gostei bastante dele. Não sei como foi definida a ordem em que os contos foram colocados na obra, mais acho que se eles tivessem sido colocados de forma que os que falam sobre o surgimento de certo mito viessem primeiro, talvez ficaria mais fácil para leitores que, como eu, ainda não conhecessem aquela lenda, pudessem se situar; ou então, se o livro fosse dividido por temas (por exemplo: todos os textos sobre o Curupira juntos), talvez fosse uma boa ideia. Senti falta de saber um pouquinho sobre os autores também; nas antologias da Editora Illuminare, por exemplo, no final do livro há uma pequena biografia sobre cada autor, poucas linhas, mas que já nos ajudam a ter uma noção sobre quem escreveu determinado conto.

Resenha, livro, opinião, Quando-a-selva-sussurra, contos-amazônicos, editora-Selo-lendari, folclore, lenda, amazonas, literatura-nacional, fotos, mario-bentes, manaus, trechos

Resenha, livro, Quando-a-selva-sussurra, contos amazônicos, editora Selo Lendari

Resenha, livro, Quando a selva sussurra, contos amazônicos, editora Selo Lendari, fotos

Resenha, livro, Quando a selva sussurra, contos amazônicos, editora Selo Lendari, ilustração
"O pescador solitário", Emerson Quaresma

antologia, Resenha, livro, Quando a selva sussurra, contos amazônicos, editora Selo Lendari
"O porão do Ataíde", Emerson Quaresma

 Sobre a parte visual: a edição está ótima! A capa é bonita e condizente com a obra, as páginas são amareladas, as margens, o espaçamento e as letras tem um bom tamanho, a primeira linha de cada conto tem uma fonte diferente, e cada conto tem uma ilustração, foi até difícil escolher só algumas para mostrar no post, pois todas são muito bonitas.

 Detalhes: 184 páginas, ISBN-13: 9788569243007, Skoob (minha nota: 4/5)página no Facebook. Onde compra online: e-book na Amazon.

 Por hoje é só, espero que vocês tenham gostado da resenha. Fica a indicação de leitura para quem gosta de literatura nacional voltada para o nosso folclore, uma área que ainda tem bastante potencial para ser explorado em nossa literatura. Me contem: alguém aí já conhecia a obra ou alguma das lendas citadas?

 Deixo o convite para que vocês visitem o site da editora: www.lendari.com.br e para que passem a acompanhá-la no Facebook (caso ainda não acompanhem). Quem acompanha o blog já deve saber, mas para quem ainda não sabe, a editora está com uma campanha de financiamento coletivo para lançar três livros na Bienal de São Paulo, ela é a única do Amazonas que estará no evento, a campanha já está na reta final e quem quiser contribuir (e ganhar alguns brindes em troca) é só clicar aqui. Ressalto também que a editora está recebendo textos para sua nova antologia, "O último Gargalo de Gaia: distopias, steampunk e dias finais" (que tem uma capa linda!) até 31 de maio, para saber mais é só clicar aqui.

Até o próximo post!


Me acompanhem nas redes sociais:
 twitterfacebook | G+SkoobInstagramYouTube| Snapchat: marijleite_pdl .
16 comentários via Blogger
comentários via Facebook

16 comentários

  1. Olá,

    Desde que vi esse livro fiquei muito interessada, não sei nada a respeito das lendas amazônicas mas a curiosidade a respeito assunto é grande. A diagramação do livro também parece excelente em? Espero poder ter contato com essa obra em breve.

    Abraços
    http://colecoes-literarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá, eu ainda não conhecia o livro e m esmo você tendo falado tão bem sobre ele, eu não me senti interessada em realizar essa leitura. Não que o livro pareça ruim, não parece mesmo. É que nã faz muitoo meu estilo, gosto de contos e crônicas mas os abordados nesse livro não me atraíram

    ResponderExcluir
  3. Oii,

    Eu já tinha visto resenha deste livro em outro blog, confesso que ele continua a não me encher os olhos, eu definitivamente não curto conto, acho que li pouquissimos na vida, e o tema foco deste me chama a tenção muito menos, mas creio que quem tem que se agrada e quem lê não e mesmo? Parabéns pelo trabalho.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá
    No começo eu fiquei com medo, mas lendo os relatos de vários contos me despertou a cruiosidade, gosto demais dos contos folcloricos, só fico meio com medo quando começa a explicar demais eles.
    Beijos

    www.poyozodance.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Eu ainda não li esse livro, mas achei bem interessante os contos apresentados. Ainda mais por ser nacional, fico mais curiosa para poder ler mais sobre eles. E achei a edição linda! Ficou perfeita.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Nossa, eu imediatamente vou adicionar às minhas leituras! Gosto de livros inusitados, diferentes, ainda mais em se tratando de literatura nacional (FOLCLORE NACIONAL).
    Acho engraçado que lemos tantos livros internacionais e não damos nenhum valor a obras como essa.
    Precisamos valorizar mais nossa própria cultura.
    Parabéns pela leitura!
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  7. Oi.
    Eu amei as ilustrações, já compraria.. rsrs
    adorei a resenha!bjs

    ResponderExcluir
  8. Olá tudo bom?
    não conhecia o livro, mas foi uma ótima surpresa.
    Eu não conheço a maioria dos contos, e os que eu já ouvi falar eu não sei conheço muito profundamente. Mas é um bom livro para ler, já que fala de alguns folclores daqui do BR.
    ótima dica! obrigada

    ResponderExcluir
  9. Oioi! Tudo bem?
    Adoro conhecer livros novos e esse Quando a selva sussurra nao conhecia.
    COnfesso que sou meio por fora de livros nacionais que ressaltam a cultura brasiliera, ainda mais o nosso folclore tao rico.
    A edição está uma obra prima mesmo, gostei das fotos que mostrou.
    Achei a premissa interessante, parabens pela resenha.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  10. Oie
    uau a edição está linda e parece ser uma leitura muito boa, adorei a resenha e a dica, belo post

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Nossa!!!! que resenha encantadora!!!!

    Não conhecia o livro, e só essas fotos já despertaram a minha curiosidade!!!

    Parabéns.... e obrigada pela dica!!!

    bjs

    ResponderExcluir
  12. Olá Mari!!!
    Mulher que livro é esse?? :O
    Me arrepiei todinha e estou com medo posso dizer isso, pois sou um pouco medrosa mas muuuuuito curiosa!!!
    E esse livro despertou minha curiosidade, eu conhecia a lenda do Boto e do Curupira e realmente pensando aqui sobre o que você disse talvez a lenda do Boto tenha sido inventada para contornar outras coisas que aconteciam com as moças mesmo O.O
    Tipo se uma moça perdesse a virgindade antes do casamento os pais podiam dizer que foi o boto que a seduziu rsrsrsrs

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Olá flor, adorei o livro...o título é ótimo e por se tratar de contos já me ganhou com certeza.
    Adoro temáticas mais sombrias e estou certa que amaria essa leitura.

    Já marquei a dica aqui.

    Abraços

    ResponderExcluir
  14. Olha, só de saber que são contos amazônicos já me interessou imensamente, pois adoro esse tipo de literatura. Inclusive tenho alguns livros sobre o tema. Adorei a dica!

    Tatiana

    ResponderExcluir
  15. Olá, sou um dos autores da antologia e preciso dizer que adorei sua resenha! Além de dizer o que achou, vc pontuou sugestoes bem bacanas. Obrigado mesmo 😊

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jan, fico contente que tenha gostado, eu é que agradeço!

      Excluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados

Topo