Resenha: livro "Em pedaços", Lauren Layne

 Olá pessoal, tudo bem? O livro "Em pedaços" foi escrito pela novaiorquina Lauren Layne e publicado no Brasil em 2018 pela Editora Paralela.

Resenha, livro, Em-pedaços, Lauren-Layne, editora-paralela, blog-literario, petalas-de-liberdade, foto, capa, trecho

 A narração é alternada entre os protagonistas: Olivia Middleton e Paul Langdon. Olivia tinha vinte e dois anos, era de família rica (embora não tão tradicional quanto outras da sociedade), e decidiu abandonar a faculdade no último ano para "fazer caridade". Muitos consideraram sua atitude como algo de grande generosidade, afinal, nem todo mundo sairia do conforto de casa para ajudar os outros. Mas o ato de Olivia não era tão generoso assim, a verdade é que ela queria fugir, queria dar um tempo de sua vida por causa da culpa que sentia por algo que aconteceu. E ela nem iria para muito longe de Nova York, seus pais deram um jeito de arranjar um trabalho para ela no Maine. Olivia cuidaria de um veterano de guerra por três meses.

 Três meses, esse era o tempo que Paul Langdon teria que aturar mais uma das cuidadoras que o pai insistia que ele tivesse, mas nenhuma tinha durado tanto tempo, graças ao seu temperamento difícil. Paul tinha vinte e quatro anos, e nunca mais foi o mesmo depois de voltar da Guerra do Afeganistão, onde perdeu amigos, teve os movimentos de uma perna comprometidos e ficou com cicatrizes no rosto. Ele passou a viver isolado numa propriedade do pai, acompanhado da cozinheira e do motorista, dos seus livros e da bebida. Como o filho não melhorava, o pai, temendo que o rapaz se suicidasse, contratava cuidadores, mas vendo que não estava surtindo efeito e que Paul continuava enfurnado na casa, deu um ultimato: se a próxima cuidadora não ficasse no trabalho por pelo menos três meses, ele expulsaria Paul da residência e pararia de lhe dar dinheiro.

 "'E seus preciosos livros?', ele desdenha. 'Todas aquelas primeiras edições de que tanto se orgulha?'
 Viro-me para a estante. Meu pai sabe que acabou de atingir meu calcanhar de aquiles com a ponta do seu sapato fino.
 Ele é ridiculamente rico, e a mesada que me manda todo mês é ridiculamente generosa. Não gasto nem um centavo comigo, a não ser pelos livros. Depois do que aconteceu comigo, acredito que ganhei o direito de ficar sentado e deprimido, lendo meus livros caros.
 Mas a ideia de perder minha coleção não é o que faz meu coração acelerar. Não preciso dos livros. Mas preciso do dinheiro do meu pai, pelo menos até completar vinte e cinco anos, quando poderei receber o que foi investido pela minha mãe em um fundo fiduciário." (página 23)

 Como precisava da ajuda financeira do pai (para bem mais do que poder comprar seus livros), Paul decidiu que faria um esforço. Ele só não estava preparado para conhecer uma cuidadora tão diferente das anteriores como Olivia. Ela era mais jovem que ele, aparentemente uma garota riquinha que só usava rosa, não tinha nenhum preparo para o trabalho, além de ser linda, despertando em Paul uma atração que ele não acreditava ter futuro. Se para ele foi um choque conhecer Olivia, foi igual para ela, pois o rapaz era totalmente diferente do ex-soldado debilitado que ela imaginava encontrar, e também despertava na moça uma atração que ela não procurava. Será que esses dois conseguirão juntas seus pedaços e sair inteiros ao fim desses três meses?

 "Ficamos parados por alguns segundos, só nos encarando, Dois jovens mimados e em pedaços. Dois desastres.
 'Vou fazer as malas', ela diz afinal, e vai embora.
 Eu a seguro pelos ombros. Ela vira o rosto para mim. Estamos ambos com a respiração acelerada, e não nos olhamos. 'Fica', digo, brusco. 'Já usamos um ao outro até agora. Podemos muto bem ir até o fim." (página 165)

 A autora também escreveu "Mais que amigos", um romance que tem sido muito elogiado. Já "Em pedaços" tem recebido algumas críticas negativas. Como eu tinha os dois livros, decidi começar por "Em pedaços", para não pegá-lo com expectativas muito elevadas caso tivesse começado por "Mais que amigos". E eu gostei muito da leitura. O Paul sabe sim ser um babaca irritante em determinados momentos e faz algumas burrices, mas quem sou eu para imaginar o que é passar pelo que ele passou na guerra, o que é ser um rapaz cheio de sonhos e, no momento seguinte, estar com cicatrizes sendo alvo de comentários ofensivos? E aí temos Olivia, que muitos julgam ter exagerado no motivo para sua reclusão no Maine, mas eu também não sei o que é ter uma vida toda dentro do script e ferrar com tudo, magoar pessoas amadas, dormir e acordar com essa culpa. Quem nunca precisou de um tempo para se reencontrar?

 "Forço um sorriso. 'Então... tem algum truque que eu deva saber para usar esse tênis? Preciso adivinhar uma senha ou eles funcionam por mágica?'
 Paul revira os olhos e aponta a bengala na direção em que normalmente seguimos. 'Trota um pouco. Tenta não tropeçar, rebolar ou qualquer outra coisa que envergonhe seu tutor.'
 'Tutor? É isso o que você se considera?', pergunto. 'Porque parece mais a madre superiora.' Começo a me alongar, bem devagar.
 Sinto o toque gentil de sua bengala no meu joelho. 'A última novidade do mundo da corrida é que alongar antes do treino não previne contusões.'
 Devolvo o pé ao chão. 'Mas sapatos mágicos previnem?'
 Seus lábio se contorcem em algo que quase parece um sorriso. 'Isso mesmo.'
 'Espero que ninguém me veja assim', murmuro, brincando. 'Por outro lado, também espero que esses tênis durem bastante, por que vão ficar ótimos quando eu for para um asilo.'" (página 129)

 Eu gostei muito do jeito como a Olivia lidava com o mau humor do Paul, ela não dava as respostas que ele esperava, e os diálogos entre os dois são ótimos. A tensão sexual entre eles também é um ponto alto do livro, senti química entre o casal. Além da personalidade da Olivia, algo que me agradou foi o fato de os personagens serem muito mais do que aparentam inicialmente, o Paul não é só um bêbado recluso que torra o dinheiro do pai, ele tem um lado bom, assim como a Olivia não é só uma alma caridosa, o pai do mocinho também tem outras facetas. Falando em pais, gostei de a Olivia ter uma família amorosa.

Resenha, livro, Em-pedaços, Lauren-Layne, editora-paralela, blog-literario, sinopse
Resenha, livro, Em-pedaços, Lauren-Layne, editora-paralela, blog-literario, petalas-de-liberdade, foto, capa, trecho

 A edição traz uma capa bem bonita, feita pela Marina Avila, boa revisão, páginas amareladas, diagramação com letras, margens e espaçamento de bom tamanho.

 "O sorriso se desfaz um pouco quando me dou conta de que não falo com Bella há dias. Ela está saindo com um cara chamado Brian, que 'é um pouco baixo, mas compensa em todos os outros setores'. Parece que ele a mantém muito, muito ocupada.
 Por mais que eu tente me convencer de que é apenas seus novo interesse amoroso que está nos distanciando, suspeito que seja mais do que isso. Nossas vidas nunca mais vão se cruzar com tanta facilidade quanto no passado.
 Interrompo o processo de passar o rímel ao me dar conta de que essa é uma parte da vida depois da faculdade para qual ninguém te prepara. Sua vida social não cai mais no seu colo, com as aulas em comum e as atividades extracurriculares. Relacionamentos, seja com amigos, família ou parceiros românticos, daqui para a frente, exigem muito mais trabalho. Chega de amigas da irmandade, chega de só precisar descer as escadas quando preciso da minha mãe. Com certeza, não vai mais ser tão fácil conhecer caras sem a faculdade. Não é como se eu pudesse simplesmente bater um papo com o gatinho da aula de economia." (página 173)

 Enfim, essa foi minha experiência de leitura com "Em Pedaços", e meu primeiro contato com a escrita da Lauren Layne foi ótimo. Recomendo esse romance new adult para quem procura uma leitura rápida e fluida, pois além de ter menos de duzentos e cinquenta páginas e capítulos curtos, é um daqueles livros onde, quando a gente percebe, já se passaram páginas e páginas, a escrita da autora é ótima e a história consegue nos prender. Na contracapa consta que é uma recontagem de "A Bela e a Fera", e há algumas leves semelhanças com o clássico, como o apego do Paul pelos seus livros (amei isso!) e sua aparência e temperamento que assustam alguns, já a Olivia tem sim um pouco da determinação da Bela. Na capa podemos ver que é o primeiro volume da série Recomeços, mas acredito que cada volume contará a história de um casal.

 Detalhes: 248 páginas, ISBN-13: 9788584391172, tradução: Lígia Azevedo, Skoob clique para ler os primeiros capítulos. Clique para comprar na Amazon:


 E por hoje é só, espero que tenham gostado de conferir o post. Já leram ou querem ler algo da autora?


 Ps.: meu perfil no Instagram chegou em dez mil seguidores, e tem sorteios para comemorar: até dia 30/09 tem sorteio valendo um kit de marcadores e até 10/10 tem sorteio de dois livros da Carol Dias, participem.
Sorteio-livros
Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

15 comentários

  1. De início parece uma história bem triste mas que bom que eles se encontram e o amor ajuda-os a se reerguerem.

    ResponderExcluir
  2. Desde o lançamento de ambos os livros, que eu os inclui na lista de desejados, mas infelizmente ainda não tive oportunidade de adquiri-los. Gosto desse tipo de história em que os personagens juntos vão se aproximando e se apaixonando, onde existe uma tensão sexual, mas ainda terão de lidar com questões pessoais. Outro ponto que curti e a narrativa intercalada. Bom, apesar das opiniões negativas que você leu sobre a obra, ainda sim foi uma leitura bastante agradável.

    ResponderExcluir
  3. Eu estou louca por esse livro e a sua resenha me deixou ainda mais interessada nele. Eu acho a capa muito bonita e a premissa já me deixa envolvida, parece mesmo ser um livro que a gente lê e nem percebe que já leu tanto. Adorei a sua resenha, espero poder ter o prazer de ler esse livro em breve.

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia o livro, mas a trama me despertou muito interesse. Também não gosto de sair julgando ninguém, e imagino o quão difícil é ter que se adaptar a um nova realidade.
    Vou anotar a dica.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  5. Oie, tudo bem? Eu realmente tenho acompanhado muitas criticas sobre o livro, mas como você disse, quem somos nós pra saber quais são os traumas da guerra e o que isso pode nos acarretar, né? É muita doidera julgar o outro sem saber o que ele sente. Eu tô meio distante de romances, mas essa é uma leitura que sinto muita vontade de fazer.

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Já li esse livro e minhas impressões foram bem parecidas com as suas! Também achei a leitura bem fluída e foi muito interessante acompanhar o Paul com suas leituras, lembrando um pouco a biblioteca da Fera. O interessante desse livro é não há essa de vilão/bonzinho, e mesmo com toda a divergência entre eles, Olivia sempre tentava uma forma de se darem bem.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Oiii maria

    Acho que livro vai muito de momento, tem horas que a gente simplesmente acerta no que precisa ler e ai tudo fluí perfeito. Fico contente em saber que "Em Pedaços" foi uma leitura que te agradou tanto. Eu tenho Mais que amigos pendente pra ler, e confesso que tenho receio pois já me disseram que esse é meio clichê, ainda assim, se eu gostar da narrativa da autora pretendo ler Em Pedaços em breve.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Maria, minha filha que tem lido os livros da autora, esses romances são mais a cara dela. Quando estava lendo esse, ela chegou a citar as semelhanças com "Como eu era antes de você", não sei se procede, porque depois ela não me disse o que achou do final. Acho que entre os dois livros da autora, eu prefiro ler este, pelo drama e carga emocional. Tua resenha ficou ótima.
    Bjos
    Vivi

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem Maria?

    Tivemos o prazer de receber "Em Pedaços" da Editora Paralela como ação de marketing e a minha namorada adorou, foi o primeiro contato dela com a escrita da Lauren. Fico contente que tenha gostado da leitura e parabéns pela resenha!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem?

    A premissa desse livro me lembra A Bela e a Fera, mas a estilizada, usada no roteiro do filme A Fera... Como eu gosto do filme acho que vai ser uma leitura interessante. Coloquei na lista de leituras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha tive a mesma sensação quando li a resenha.

      Excluir
  11. Eu ainda não li nada da autora, mas fiquei curiosa para conhecer a relação entre eles nessa hisrória. Lembrei um pouco de A bela e a fera? SIM hahahaha, mas posso dizer que me interessei pela leitura. Mesmo imaginando o final, fiquei com vontade de ler. <3

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Já li alguns comentários sobre a escrita da autora e foram ótimo comentários. O livro tem uma boa premissa, isso me deixa com mais vontade de ler algo dela. O romance parece ter uma pega meio Nicholas Sparks,haha. Adorei a resenha.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  13. olá, Mari... então, amo livros com capítulos curtos, a leitura flui bem melhor pra mim... maaaas, o gênero em si não me atrai... ler NA é algo fora de cogitação pra mim... =T fico feliz que vc tenha curtido a leitura, e espero que os proximos livros da série sejam encantadores...

    bacana a alusão a obra A bela e a fera hehehe

    bjs ^^

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bem? Nossa vejo tanta as opiniões divididas sobre esse livro. Alguns acham que tem um relacionamento meio abusivo, outros adoram e eu não sei o que pensar haha Já li um livro anterior da autora, Mais Que Amigos, e adorei porém confesso que tenho receios sobre esse. Sua resenha me deu uma luz mais positiva sobre ele, então quem sabe?! Adorei a resenha e as fotos <3
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados

Topo