domingo, 10 de agosto de 2014

Uma carta para meu pai

Filha e pai


Liberdade, 10 de agosto de 2014.     

Querido pai,

     Hoje, escrevo-lhe uma carta que o senhor provavelmente nunca lerá e sequer saberá da existência.
     O senhor não tem muita ideia do que eu faço o dia todo no computador, não é? Assim como não sabe de muita coisa sobre mim, não curte as mesmas músicas que eu (me pergunto o que o senhor pensa quando ouço a mesma música diversas vezes seguidas), não sabe o que é um blog... enfim, tem muita coisa que o senhor não sabe. E tem uma infinidade de outras coisas que o senhor sabe muito melhor do que eu.
     Durante esses 22 anos, já passamos por muita situações, boas e ruins. A convivência algumas vezes é difícil, muito difícil, mas me sinto uma grande sortuda por poder estar todos os dias ao seu lado.
     O senhor fala muito alto, é teimoso, mandão, nunca se dá por vencido... eu poderia fazer uma lista enorme só com os seus defeitos. Eu conheço boa parte deles. E não o amo menos por causa disso! Suas qualidades volte e meia me surpreendem, as vezes o senhor é de uma sabedoria que me espanta, sempre disposto a dar um bom conselho para apaziguar um amigo, e eu fico feliz ao ver como o senhor é inteligente e tem uma grande capacidade de aprender, embora não tenha muita vontade de usá-la as vezes.
     Seus olhos são únicos, eu queria que os meus tivessem a mesma cor que os seus, mas eles são muito escuros e não dessa cor entre o verde e o castanho que eu nunca vi igual. Pelo menos eu tenho a sua testa, e a sua neta (minha sobrinha linda!) é a sua cara!
     Pai, eu sei que a gente ainda vai enfrentar muitas dificuldades daqui pra frente, sofro só de pensar nelas. Mas acredito que também teremos muitas alegrias, sejam elas grandes ou pequenas. Ouvir aquela sua risada nada discreta é uma pequena alegria; notar que o senhor está bem humorado ou te ver conversando com seus amigos são coisas que também me alegram. Vê-lo bravo não me deixa feliz nem triste, me deixa em alerta para ficar longe. Agora, quando percebo que o senhor está triste e sofrendo, isso me dói demais! Perdi as contas de quantos dias eu quis ter o poder de curar a sua dor, faço o que posso para não vê-lo sofrer.
     Houveram vários momentos em que nossa convivência não foi fácil, tem algumas coisas em que eu gostaria que o senhor fosse diferente, tem mágoas que talvez eu nunca esqueça. Mas eu aprendi que só posso responder por mim, tentar ser uma pessoa melhor sem esperar que o senhor seja do jeito que eu quero. Quarenta anos nos separam, e isso é muita coisa!
     Alguns anos atrás, quando entendi que não precisava de um herói e sim de um pai, decidi me reaproximar, fiz isso ficando mais tempo ao seu lado literalmente. Comecei a dizer bom dia ou boa noite com mais frequência, ter mais paciência para ouvir suas histórias e coisas do tipo. E foi o melhor que eu poderia ter feito.
     Pai, quero que saiba que estarei sempre ao seu lado.
     Obrigada por tudo!
     Com amor,
sua eterna Lia*.

     "Você me diz que seus pais não entendem, mas você não entende seus pais. Você culpa seus pais por tudo. Isso é absurdo! São crianças como você. O que você vai ser quando você crescer." Pais e Filhos - Legião Urbana

     * Quando meu irmão caçula estava começando a aprender a falar, ele tentava falar Maria e saía Lia, meu pai volta e meia me chama assim.


     Participo do grupo ROTAROOTS - Blogueiros de Raiz no Facebook, todo mês tem temas para blogagens coletivas, um dos temas de agosto era escrever uma carta para o pai, já que o Dia dos Pais é nesse mês. O post de hoje foi escrito para a blogagem coletiva do ROTAROOTS - Blogueiros de Raiz.
     Espero que vocês tenham gostado.
     Feliz dia dos pais!

Me acompanhem nas redes sociais:
 twitterfacebook | G+SkoobGoodreadsBloglovin (receba os posts do blog no seu e-mail)| Instagram.

10 comentários:

  1. QUE LIIIIIIIIINDO!
    Acho que os pais todos tem seus defeitos e não são perfeitos, mas mesmo assim nós amamos, discutimos brigamos e nos reconcilhiamos... porque nós definitivamente não vivemos sem! :)
    quando meu irmao nao sabia dizer meu nome dizia Lalinha, mas o apelido não pegou haha

    Um beeijo Lara.
    Blog Meus Mundos no Mundo | | Página Coração Furta-Cor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lara, obrigada pela visita e comentário.

      Excluir
  2. Que perfeito. as vezes nos chateamos com nossos pais, mas esse é um dos 'deveres' dos filhos e sempre achamos que somos diferentes, mas quando vamos ver somos mais parecidos do que imaginávamos.
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lola, obrigada pela visita e comentário.

      Excluir
  3. Parabéns pelo texto lindo e pela iniciativa e coragem de expor seus sentimentos!!!

    Um super beijo, Van - Blog do Balaio
    balaiodelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vanessa, obrigada pela visita e comentário.

      Excluir
  4. Que lindoooo Maria
    Parabéns pelo texto.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Letícia, obrigada pela visita e comentário.

      Excluir
  5. Uma carta muito expressiva.
    Muitos trechos se enquadram perfeitamente a um jovem que conheço, só troca o pai por mãe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Claudio, obrigada pela visita e comentário.

      Excluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim.
Leio todos os comentários, mesmo que nos posts mais antigos. Responderei seu comentário aqui nesse mesmo post. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados