TOP COMENTARISTA DE ABRIL

TOP COMENTARISTA DE ABRIL
Seu comentário pode te dar o livro "Ninfeias Negras", clique na imagem para saber como participar! E quanto mais você comentar, mais chances tem de ganhar!

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Resenha: livro "A Chave do Amanhecer", Pedro Terrón

 Olá pessoal, tudo bom com vocês? No post de hoje venho comentar sobre a minha experiência de leitura com o livro "A Chave do Amanhecer", o segundo da trilogia Kalixti, escrito pelo espanhol Pedro Terrón e publicado pela Primavera Editorial em 2010.

Resenha, livro, A-Chave-do-Amanhecer, Pedro-Terrón, primavera-editorial, kalixti, fotos, trechos, opiniao, critica, livros-de-fantasia-e-aventura

 Em novembro eu resenhei o livro um, “A cidade perdida”, onde conhecemos o espanhol Runy. Em "A Chave do Amanhecer", conheceremos Dámeris, uma jovem arqueóloga de 24 anos. Na casa que seu namorado herdou do avô, ela encontrou muitas antiguidades, uma em especial mudaria toda a sua vida: um livro muito antigo, escondido dentro de uma escultura de barro, escrito em uma língua desconhecida. Para tentar decifrar o que estava naquelas páginas, Dámeris recorreria à equipe do museu onde trabalhava, porém, a descoberta atrairia interessados inesperados e colocaria a vida da protagonista em risco.

 "Não suporto violência e o que acabo de vivenciar me altera demais. E não pelo que aconteceu em si, pois já passou, e afinal tive muita sorte. O pior é que suspeito que os personagens não eram simplesmente uns ladrõezinhos de bairro que se dedicam a roubas bolsas de velhinhas. Pareciam quatro matadores profissionais. Em número excessivo para um ataque sem importância, o que me faz suspeitar que não queriam a bolsa, mas o que havia dentro. A coisa se complica. Quantas pessoas sabem da existência do livro? Por que querem roubá-lo? Quem pode ter tanto interesse?" (página 35)

 Após descobrir que na Venezuela estaria a resposta para parte dos enigmas do livro, talvez algo relacionado à mítica Atlântida, Dámeris partiu para lá, mas os perigos a perseguiram, fazendo com que ela precisasse ser ajudada por pessoas que até então ela desconhecia: pessoas relacionadas à Kalixti e à criação das sete estrelas mágicas, que acabaram se perdendo pelo mundo, e que Dámeris e seus novos amigos tinham a missão de resgatar.

 Se essa parte da história já parece interessante, a outra parte é ainda mais, pois a trama se passa em dois tempos: no presente, e no passado, no século dezoito, quando, em outra vida, Dámeris era Marina, uma jovem filha de um oficial espanhol que foi para a Venezuela, onde seu pai trabalharia. Talvez vocês se lembrem das aulas de História na escola, onde vimos que as riquezas da América eram muito disputadas pelos países europeus, o que colocaria a família de Dámeris em risco no novo continente. Em sua nova residência, Marina (Dámeris) conheceria Anur (Runy, em outra vida), um guardião de um grande tesouro, um guerreiro, que lhe daria a oportunidade de viver uma ventura, e ela, obviamente, aceitaria.

 "(...)Os corsários carregarão tudo o que puderem levar, queimarão um punhado de suas casas e irão embora em alguns dias. Quando já estiverem no mar, os espanhóis voltarão do interior e recuperarão a cidade. Desde que uns e outros cravaram suas bandeiras em nossa costa, sempre acontece assim" (página 155)

livro, A-cidade-perdida, A-Chave-do-Amanhecer, Pedro-Terrón, primavera-editorial, kalixti, foto

 O livro um não foi como eu esperava, como comentei na resenha dele, mas algo me dizia que eu deveria tentar ler o livro dois, e após finalizar a leitura do segundo volume, vi que agi muito bem ao seguir minha intuição. "A Chave do Amanhecer" já me conquistou logo nas primeiras páginas, na forma poética como é descrita a última viagem de um galeão com pele de carvalho, um grande navio carregado de tesouros.

 Talvez pela mudança de tradutor do primeiro para o segundo livro, a leitura tenha ficado ainda mais fluida, mais aportuguesada. E agora até entendo que o primeiro livro tivesse que ter algumas partes mais lentas para que Runy e os leitores entendessem toda a questão das reencarnações e a ideia de que estamos todos, vida após vida, buscando evoluir e ajudando na evolução do planeta. Informações essenciais do livro um são repetidas de forma bem resumida no segundo, o que me agradou, mas que me faz recomendar que os livros sejam lidos em ordem. 

 A Dámeris é um personagem independente e bem construída, e na pele da Marina, é ainda mais fascinante pela sua sede de aventura, pela sua vontade de viver. O Runy me pareceu bem mais centrado nesse segundo volume. E preciso lhes contar que eles são almas gêmeas, mas como é explicado, isso nem sempre quer dizer que devam viver um romance (como o intenso relacionamento que tiveram na pele de Marina e Anur), mas há essa possibilidade, e foi interessante ver os dois personagens refletindo sobre o assunto, já que ambos tinham outros relacionamentos na vida atual. Preciso mencionar também que achei fantástica toda a questão da chave em si.

Resenha, livro, A-Chave-do-Amanhecer, Pedro-Terrón, primavera-editorial, kalixti, fotos, trechos, sinopse
Resenha, livro, A-Chave-do-Amanhecer, Pedro-Terrón, primavera-editorial, kalixti, fotos, trechos, venezuela, diagramação

 A edição da Primavera tem uma capa bem bonita (adaptada da original, se não me engano), páginas amareladas, poucos erros de revisão, diagramação com margens, espaçamento e letras de bom tamanho.

 Resumidamente, o segundo volume da trilogia Kalixti coloca os personagens em situações tão extremas quanto o primeiro, mas foca menos na espiritualidade e mais na História. Se o livro um enfoca suas aventuras no continente europeu, "A Chave do Amanhecer" traz as Américas como cenário, misturando realidade e ficção, e me agradou demais voltar no tempo e ver como era a Venezuela na época das grandes navegações. Romance, fantasia, ficção científica, tensão, História, aventura, natureza, mar: se você gosta disso, então certamente vai amar "A Chave do Amanhecer" tanto quanto eu! Se eu quero ler "A bússola do Peregrino", terceiro e último volume dá série? Mas é claro que sim!

 Detalhes: 312 páginas, ISBN: 97885619777214, Skoob. Onde comprar online: loja da aditora.

 Por hoje é só, espero que vocês tenham gostado do post. Me contem: já conheciam o livro ou o autor?

Até o próximo post!

Me acompanhem nas redes sociais:
 twitterfacebook | G+SkoobInstagramYouTube| Snapchat: marijleite_pdl

5 comentários:

  1. Oi! Eu não conhecia o livro mas amei a premissa. Parece aquelas histórias que se passam no Egito, acredito que a ambientação do enredo seja um dos pontos positivos da história. Como não costumo ler fantasias, acho que teria dificuldade para me adaptar ao enredo, mesmo assim, amei a dica.
    Beijo! Leitora Encantada
    Promoção 4 anos de blog Minhas Escrituras

    ResponderExcluir
  2. Mudaram o tradutor? Bom, espero que tenha sido por um bom motivo, pois, geralmente, isso não é bom e a editora perde credibilidade. Não conhecia o livro e gostei do enredo, mas o fato de ser continuação me deixa pé atrás.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, não conhecia essa série. Adorei a premissa e os livros são lindíssimos. Vou pôr na wishlist. Muito bom conhecer obras novas, até porque adoro o gênero!

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?
    Eu ão conhecia essa trilogia, mas amei a premissa dela. Não curto muito fantasia, mas tem livros que nos fisgam já na sinopse não é? Amei a sua dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Tenho que te parabenizar pela resenha, porque ela foi muito explicativa, acho que se tentassem retratar a história de outro, ficaria perdida, kkk.
    Mas enfim, gostei demais, desde a resenha a essa coisa do livro ser bem mais que só um livro.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim.
Leio todos os comentários, mesmo que nos posts mais antigos. Responderei seu comentário aqui nesse mesmo post. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados