TOP COMENTARISTA DE ABRIL

TOP COMENTARISTA DE ABRIL
Seu comentário pode te dar o livro "Ninfeias Negras", clique na imagem para saber como participar! E quanto mais você comentar, mais chances tem de ganhar!

sábado, 26 de março de 2016

Resenha: livro "Na esquina do mundo", Luiz Augusto França

 Olá pessoal, tudo bem? O livro da resenha de hoje é "Na esquina do mundo", escrito pelo Luiz Augusto França e publicado em 2014 pela Capitolina Edições.

Resenha, livro, Na esquina do mundo, Luiz Augusto França

 A história é narrada em terceira pessoa e se passa no ano de 1510 (pouco após a "descoberta" do nosso país pelos portugueses). Os capítulos vão alternando sua ambientação entre Portugal e Brasil (e o caminho de lá até aqui). No livro conheceremos Kaluanã e Apoema, dois jovens índios da tribo ibiaçu, a tarefa deles era caçar. Conheceremos também Diogo e Nuno, dois homens portugueses que não tinham muito o que os prendesse em sua terra natal.

 Certo dia, enquanto caçavam, Kaluanã e Apoema ouviram um barulho muito estranho, parecido com um trovão, mas o céu estava claro. Indagando na aldeia, eles começaram a desconfiar que o barulho poderia ser obra de um tipo estranho de gente, homens brancos que vinham do mar numa grande canoa. Ninguém nas redondezas sabia ao certo se eles realmente existiam, mas o fato é que o espírito aventureiro de Kaluanã foi despertado, e ele sentia uma necessidade enorme de ver com os próprios olhos esses homens estranhos. Já que Apoema era seu melhor amigo, acabou sendo convencido a ir junto. A dupla teria que atravessar um longo caminho da tribo até o litoral, passando por regiões bem perigosas, e será que realmente veriam esse povo estranho de pele pálida?

 "Aquela história havia se tornado fixação na cabeça do jovem ibiaçu. (...)
 - Aimberê, meu mestre, o Pajé sempre diz que o coração tem que ficar em paz, para que o olho consiga ver as coisas como elas são. Porque se não tem paz, o coração atrapalha o olho e ele não vê as coisas direito." (página 173)

 Longe dali, Diogo sentia que Portugal não tinha mais nada a lhe oferecer e via a vontade de embarcar numa expedição rumo ao Novo Mundo ficar cada vez maior. Mesmo sem entender nada da vida num navio, ele conseguiu embarcar em uma expedição que buscaria pau-brasil. Nuno, sendo seu melhor amigo, acabou indo junto. Uma viagem do tipo era arriscada, cheia de perigos (dentro e fora do barco, já que Diogo teria uma missão extra), e sem garantia de volta.

 "Para seguir em tamanha aventura será preciso um pouco de desespero e desprendimento, pois essa alma não pode ter muito o que abandonar neste cais." (página 44)

 Será que os quatro homens se encontrariam na praia? Será que achariam as respostas para suas inquietações? O fato é que "Na esquina do mundo" é um livro diferente de tudo o que eu já li! Eu gosto muito de livros que falem sobre momento históricos ou sobre épocas passadas, e tenho curiosidade sobre a cultura indígena (num ponto bem longe da minha árvore genealógica, tenho antepassados indígenas), Então, quando o autor entrou em contato comigo, me perguntando se gostaria de resenhar o livro dele, decidi me arriscar. No fim, quando a última palavra foi lida, o saldo foi positivo.

 Como já disse, a obra é diferente de tudo o que eu já li. A escrita do autor é um pouco formal, um pouco mais elaborada do que a dos livros que costumo ler, o que torna a leitura mais complicada em alguns momentos mas também poética em outros. Nos diálogos, o autor escreve as falas numa linguagem mais próxima do que imaginaríamos ser a usada na época (e confesso que as falas portuguesas eram mais fáceis de ler do que as falas indígenas).

 "Por certo, aqueles homens vinham de outra dimensão, de outro mundo. Para eles nenhuma explicação diferente disso faria sentido. Eles eram de uma tribo, sim, de uma tribo com a qual nunca - nem sequer em seus pensamentos mais criativos - imaginaram encontrar." (página 12)

 O que eu mais gostei no livro, foi que consegui ver claramente o choque entre as culturas, o medo e a curiosidade pelo novo. Pela primeira vez, pensei como deve ter sido estarrecedor, tanto para os índios quanto para os portugueses, descobrir que havia humanos morando do outro lado do mar, com uma sociedade com regras próprias, com outro idioma, com outra cor de pele. Creio que para os índios tenha sido ainda mais difícil, não só pelo fato de os portugueses (infelizmente) terem armas mais letais, mas também porque acho que as tribos eram mais isoladas uma das outras. É claro que também foi interessante saber mais sobre como eram as expedições e a vida dentro de uma embarcação em alto-mar naquela época.

capa, resenha, livro, Na-esquina-do-mundo, Luiz-Augusto-França, opinião, portugal-brasil, 1510

contracapa, livro, Na esquina do mundo, Luiz Augusto França, capitolina

Resenha, livro, Na esquina do mundo, Luiz Augusto França

ilustração, livro, "Na esquina do mundo", Luiz Augusto França

diagramação, Resenha, livro, Na esquina do mundo, Luiz Augusto França


 Sobre a parte visual: não tenho muito o que falar sobre a capa, é uma capa normal, simples; as páginas são amareladas; o espaçamento e as margens são grandes, as letras tem um tamanho bom; e há algumas ilustrações no livro.

 Enfim, fica a minha sugestão para quem quer um livro com uma temática diferente, uma leitura que pode ser rápida já que a obra tem pouco mais de 200 páginas. Deixo meu agradecimento ao Luiz, por ter disponibilizado um exemplar para leitura e resenha. Me contem: alguém aí já conhecia "Na esquina do mundo"? Já leram algo parecido?

 Detalhes: 226 páginas,ISBN-13: 9788567526188, Skoobpágina no Facebooksiteprimeiro capítulo. Onde comprar online: site da editora.


Até o próximo post!
Me acompanhem nas redes sociais:
 twitterfacebook | G+SkoobInstagramYouTube| Snapchat: marijleite_pdl

9 comentários:

  1. Oiii menina,tudo bem?
    Realmente que livro é este? Eu me encantei completamente pela história proposta pelo autor, tenho a minha opinião que acho que este livro poderia ser considerado meio histórico, por ter todo este enredo que me deixou bastante cativada. Eu realmente quero ler, no início do ano li um livro assim e não consigo esquecer de maneira nenhuma,este teria o mesmo resultado, tenho certeza!
    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Olá Mari
    Ainda não conhecia o livro nem o autor, mas achei a premissa bem interessante! Vou colocar na minha lista de desejados aqui pois parece ser muito bom, valeu a dica.

    Beijos
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem

    Simplesmente achei sensacional. Pois os índios são tão excluídos, que fico muito feliz quando vejo uma obra que falem deles. E pelo fato de mostrar a cultura e o choque , se for escrito de maneira que mostre de certa maneira como deve haver o respeito pelo diferente, com certeza deve ser uma ótima leitura. Gostei de conhecer a obra. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia o livro e gostei, o enredo é bem rico, pois traz um retrato histórico, mesmo que em ficção, isso é bom. O único motivo de eu não comprar o livro no momento é que quero livros escrito por índios, quero o marginalizado no centro das atenções literárias, mesmo assim, não nego a importância educacional desse livro.

    ResponderExcluir
  5. Olá! Que livro fantástico! Também adoro enredos que têm como cenário principal acontecimentos históricos, pois sempre acabo aprendendo maravilhas a cada linha lida. Não conhecia a obra nem o autor, mas tenho certeza de que realizar a leitura seria uma experiência incrível. Sua resenha mostrou a importância do livro e me deixou bastante ansiosa para conhecer a história.

    Beijos,
    Fernanda F. Goulart,
    Império Imaginário.

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?

    Essa literatura me lembra muito a que tinha que ler "obrigada" pelo vestibular, então, confesso que fico com um pé atrás. Não sou nada próxima de temas indígenas, mas tenho alguma curiosidade. Confesso que a resenha não me instigou a querer saber mais da obra, acho que porque você realmente não pôde dar detalhes além disso que escreveu para não ser spoiler. Mas acho que faltou alguma coisa - pelo menos para mim - que me motivasse a saber mais. Ou, talvez, o clímax da obra seja bem morno mesmo - essa indagação do encontro dos quatro. Achei a capa meio assustadora, não sei. Não me atraiu muito.

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oii, tudo bom?
    Adorei a resenha! É a primeira que leio sobre o livro. Achei a premissa diferente, original. Não faz muito meu gênero de leitura do momento, mas fiquei curiosa e já anotei o título aqui para futuras pesquisas. Vou indicar o título a um professor meu, acho que ele irá gostar...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. oi, tudo bem?
    não conhecia o livro, mas adorei a premissa e sua resenha. Também nunca li nada do tipo, aliás, acho que nunca li nada fictício da época do "descobrimento" (concordo com suas aspas, rs, e foi ótimo saber que o autor abordo bem a questão do choque cultural
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Como responsável pela Capitolina Edições fiquei muito feliz com a receptividade dos leitores em relação à obra do Luiz. Na Esquina do Mundo é mesmo uma obra importante para todas as idades, mas muito especialmente para o público infantojuvenil. Nosso agradecimento ao site Pétalas de Liberdade pela atenção que deram ao trabalho. Sucesso!

    www.capitolina.com.br
    www.therezinhamello.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim.
Leio todos os comentários, mesmo que nos posts mais antigos. Responderei seu comentário aqui nesse mesmo post. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados