TOP COMENTARISTA DE ABRIL

TOP COMENTARISTA DE ABRIL
Seu comentário pode te dar o livro "Ninfeias Negras", clique na imagem para saber como participar! E quanto mais você comentar, mais chances tem de ganhar!

quarta-feira, 2 de março de 2016

Resenha: livro "O pássaro do bom senhor", James McBride

 Olá pessoal, tudo bem? O livro da resenha de hoje é "O pássaro do bom senhor",  escrito por James McBride e publicado no Brasil em 2015 pela Editora Bertrand Brasil. Em 2013, a obra foi vencedora do National Book Award.

Resenha, livro, O pássaro do bom senhor, James McBride, Bertand Brasil

 Primeiramente, é preciso situar-se um pouco na época e na região onde se passa a história: estamos nos Estados Unidos, em 1856. Pelo que pesquisei após a leitura, poderíamos dividir o país em norte (mais industrializado e contra a escravidão) e sul (mais rural e favorável a escravidão).

 O narrador, Henry Schackleford, tinha uns 10 anos na época, era negro e escravo e morava no Território do Kansas, no Sul. Até que um dia, apareceu um sujeito estranho na barbearia onde o pai de Henry trabalhava. O sujeito era nada mais nada menos que John Brown, um homem branco que lutava pela abolição da escravidão. Após um tiroteio, Henry foi levado por John Brown que dizia estar libertando o garoto, só que, na confusão, Brown achou que o garoto era uma menina. Assustado, Henry não desmentiu o mau entendido.

 "- Não tinha como perguntar nada - disse Bob. - Meu amo e eu estávamos indo pra cidade. Ouvi um barulho. Quando vejo, ele surge da floresta com uma espingarda apontada para a cara do amo. Disse, 'Vou levar sua carroça e libertar seu homem de cor.' Não me perguntou se eu queria ser libertado. Claro que estou aqui porque tinha que vir. Mas achei que fosse me deixar no Norte. Ninguém disse nada de lutar contra ninguém.
 Era aquela a questão. O Velho tinha feito o mesmo comigo. Ele achava que todas as pessoas de cor queriam lutar por sua liberdade. Nunca lhe passava pela cabeça que pudessem pensar de outra maneira." (página 80)

 A partir daí, vamos acompanhar a vida de Henry como Henrietta ao longo de alguns anos no bando do Velho John Brown. Inicialmente, seu desejo era conseguir fugir e voltar para "casa", mas um escravo que tinha contato com ideias abolicionistas poderia se tornar um perigo para os homens brancos e proprietários de escravos, de forma que voltar poderia não ser a melhor opção. No bando do Velho John Brown, Henry foi apelidado de Cebola (por um motivo que me fez rolar de rir), e era considerado por Brown como um amuleto da sorte, se bem que durante a leitura é possível perceber que ela não trazia tanta sorte assim, mas o Velho interpretava as coisas como queria.

 Talvez vocês não saibam, mas John Brown realmente existiu e lutou pela abolição da escravatura, mas, pelo que pesquisei, parece que o autor James McBride resolveu colocar ele e outras pessoas reais na trama recriando suas personalidades, tanto que Brown é retratado como um homem quase fanático, que acreditava ter recebido uma missão divina na Terra, parecia meio louco e gostava de fazer longos discursos. Se ele foi realmente assim, eu não encontrei nada que confirmasse (as imagens que vi dele me deram a impressão de ser um homem bem mais "normal"), mas o fato é que o autor criou um personagem interessante e que me deixou curiosa para descobrir quem ele era de verdade ao longo da leitura.

 "O Velho estava mentindo, é claro. Ele não disse nada sobre se render ao governo americano. Sempre que dizia algo sobre a vontade de Deus, significava que não ia cooperar ou fazer algo além do que achasse apropriado. Ele não tinha a menor intenção de deixar o Território do Kansas, de se entregar ou dar ouvidos ao que lhe dizia um soldado branco. Era capaz de contar uma mentira por minuto a favor de sua causa. Era como todos na guerra. Acreditava que Deus estava do seu lado. Numa guerra, todos têm Deus do seu lado. O problema é que Deus num diz de que lado Ele não está." (página 92)

 Eu demorei um pouco mais do que imaginava para ler a obra, mas foram por fatores externos que reduziram meu tempo para leitura e não por falta de fluidez da escrita do autor. Confesso que inicialmente levei um certo choque ao ver um linguajar tão informal e que eu não esperava encontrar em um livro que se passasse em 1856.

 Se você é, assim como eu, branco, nunca vai conseguir entender realmente o que é ser negro e sofrer preconceito pela cor da pele, o mesmo serve para os homens que não vão entender completamente o que é  ser mulher e sofrer com o machismo, e também para os héteros em relação a homossexualidade, e para todas as outras formas de descriminação que os que fazem parte da classe opressora (mesmo que sem ter escolhido isso) não conseguem perceber em sua totalidade. Com a leitura do livro é possível entender bem essa questão, além da importância da representatividade.

 "Me deixava um pouco triste, pra dizer a verdade, quase nunca tinha negros nesses encontros, e aqueles que apareciam estavam sempre arrumados e ficavam quietos como camundongos. Para mim, parecia que todo aquele estardalhaço pela vida dos negros não era muito diferente ali do que era no oeste. Era como um grande e longo linchamento. Todos podiam falar sobre os negros, menos os próprios negros." (página 2015)

 E também é possível entender um pouco do que a opressão (seja ela pelo racismo, pelo machismo, pela homofobia...) faz com a cabeça do oprimido, levando-o a tentar ver um lado bom em sua situação. No trecho abaixo, vocês verão como Cebola achava que ser escravo era melhor: ele tinha um teto e comida, não precisava dormir ao relento nem caçar seu alimento, mas a que custo? Ele não tinha possibilidade de ter uma casa melhor ou escolher o que queria comer, e podia ser vendido como uma mercadoria. O livro também toca na questão de que não seria apenas fazer com que os negros deixassem de ser chamados de escravos, era necessário dar condições e suporte para eles, para que pudessem viver como as demais pessoas, além de ouvi-los. A liberdade é imprescindível sim, mas precisa ser plena e vir também com as oportunidades.

 "Tinha voltado à servidão, é verdade, mas ser escravo não é assim tão ruim quando você sabe como funcionam as coisas e já tá acostumado. A comida é de graça. Você tem um teto. Outras pessoas têm que se preocupar em atender às suas necessidades. Era mais fácil do que viver na estrada, fugindo de bandos e dividindo um esquilo assado com mais cinco homens, enquanto o Velho agradecia ao Senhor aos berros pelo bicho antes que você pudesse tocar na comida e, mesmo quando podia, a carne era tão parca que mal dava para tapar o buraco do dente." (página 139)

 Acho que eu nunca tinha lido uma história onde um menino precisa fingir que é menina, e esse foi um dos pontos que mais me fez querer ler a obra, e durante a leitura, muitas vezes me esqueci que a Cebola era um garoto (o que talvez fique visível em minha incapacidade de definir se uso só ele ou ela durante a resenha). Eu acho que quem gostou de "O Sol é para todos", clássico livro da escritora Harper Lee, também pode gostar de "O pássaro do bom senhor", os dois se passam em épocas diferentes mas falam sobre o racismo, e tem uma cena entre a Cebola e John Brown mais para o final do livro de James McBride que me emocionou tanto quanto uma das cenas finais de "O Sol é para todos", uma cena onde a gente compreende tanta coisa com poucas palavras. Mas ressalto que "O pássaro do bom senhor" é um livro que traz muito mais risadas com as confusões em que a Cebola se mete, do que cenas emocionantes (talvez seja uma forma de atenuar um pouco o derramamento de sangue que os conflitos entre o bando de John Brown e os defensores da escravidão causavam).

Resenha, livro, O pássaro do bom senhor, James McBride, Bertand Brasil, escritor-negro, escravidão
Tem comentário do John Green na contracapa!
Resenha, livro, O pássaro do bom senhor, James McBride, Bertand Brasil, diagramação

 Sobre a edição da Bertrand Brasil: eu achei a capa bem bonita e foi outro fator que me fez querer ler o livro; na diagramação, a margem inferior ficou um pouco instável e, assim como a exterior, era pequena algumas vezes, as letras e o espaçamento tem um tamanho bom, encontrei alguns erros de revisão. O livro é dividido em partes (que tem o desenho de uma pena), que são divididas em capítulos, e alguns títulos de capítulos davam uma ansiedade enorme de saber o que iria acontecer.

 Enfim, "O pássaro do bom senhor" foi uma boa leitura, da qual eu não sabia o que esperar mas que quis ler pelo fato inusitado de ter um menino vestido de menina, e que acabou me fazendo entender mais sobre a questão da escravidão e da história dos negros nos Estados Unidos. Se eu fosse norte-americana ou se tivesse um mapa mostrando os caminhos por onde Cebola e o bando do Velho John Brown passavam, certamente minha compreensão sobre algumas partes poderia ser melhor. Recomendo! Acho que todo mundo precisa ter contato com uma outra época e com uma outra realidade de vez em quando.

 Por hoje é só, espero que vocês tenham gostado da resenha (talvez ela pudesse ser melhor, sempre pode, mas isso é realmente tudo o que eu consigo fazer enquanto leitora que quer falar sobre "O Pássaro do Bom Senhor" com vocês).

"(...) não existe nada melhor quando se chega ao fundo do poço do que encontrar um amigo lá." (página 166)

 Detalhes: 378 páginas, ISBN-13: 9788528620405, Skoob. Onde comprar online: Saraiva, Americanas.


Até o próximo post!

Me acompanhem nas redes sociais:

17 comentários:

  1. Gostei de saber que o John realmente existiu, muito legal a história retratar alguma realidade.
    Vou procurar o livro para ler. Gosto de fatos históricos é sempre bom saber um pouco mais.

    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  2. Olá, eu gosto muito desse tipo de leitura, acho que livros com essa temática são muito importantes e interessantes, sempre leio e apesar de não conhecer esse, eu gostei dele pelo que você falou. Sua resenha está boa sim e acho que você conseguiu passar tudo o que sentiu com a leitura, sua resenha me convenceu a ler o livro e espero poder ler em breve

    ResponderExcluir
  3. Olá,

    gostei muito da sua resenha, conseguiu transmitir o que sentiu com a leitura. Achei a temática importante, gosto de livros que retratam a realidade como esse e fatos históricos é bom saber mais um pouco. www.sagaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  4. Achei um pouquinho, bem básicamente, PESADO hahaha.
    Eu me interessei de verdade, e quero ler " O sol é para todos" também.
    Eu naõ sei lidar com a escravidão.
    Não mesmo. Todas as relações eram assim, servo X senhor ou escravo X dono.
    essa falta de flexibilidade me confunde e me magoa.
    Bjs
    Tay

    ResponderExcluir
  5. Oi *--*

    Poxa a obra realmente parece muito boa. Achei muito legal sua resenha, suas opiniões são bem fortes, e concordo plenamente com você, nunca saberemos como é o preconceito de verdade vivido por algumas pessoas. Adoro livros assim que relatam verdadeiramente fatos históricos é muito importante na construção do ser humano.

    Bjos

    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá, essa parece ser uma leitura bem tensa, gostei da forma como você expressou em relação aos acontecimentos descritos na obra, mas acho que não é o tipo de leitura que estou buscando nesse momento.

    Beijokas da Quel ¬¬
    Literaleitura

    ResponderExcluir
  7. Oi, gostei da história e tal. Gostei de saber que tem um pouco de fatos verdadeiros e históricos. Não conhecia o autor nem abre, mas só ouvi falar da editora. Parabéns pela resenha!

    HTTP://PORREDELIVROS.BLOGSPOT.COM

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Não o conhecia, mas gostei da premissa. Ainda não tive a oportunidade de ler nenhum livro que trate dessa parte da história norte-americana, porém, estudei um pouquinho na escola e sei mais ou menos a importância dessa divisão para a compreensão dos EUA de hoje. Gostei muito da sua resenha, sincera, mostrou os pontos positivos da história.

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oie
    parece ser uma leitura bem interessante apesar de não ser o que eu leio normalmente fiquei curiosa depois da resenha pelo enredo diferente

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. poxa, não conhecia o livro mas só por saber que se passa durante o período da Guerra de Secessão já me despertou interesse por ele...
    Tentarei ler em alguma oportunidade... Fiquei curiosa sobre o porquê do apelido Cebola... achei importante também a questão da representatividade e opressão...
    bjs

    ResponderExcluir
  11. Mari, não conhecia o livro e achei essa premissa bem interessante ainda mais por ser um menino que teve que se vestir de menina.
    Não é meu estilo de leitura, mas daria uma chance.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  12. Sua resenha ficou ótima!! Já estava querendo ler esse livro, e agora estou ainda mais ansiosa e empolgada pela leitura! Amei os pontos que ressaltou sobre ele. Bem inusitado um livro onde um garoto precisa fingir ser menina! Gostei disso.
    Beijos! ♥

    ResponderExcluir
  13. Oi por Marijleite , sua linda, tudo bem
    Esse foi um período muito cruel da nossa história, mas fico muito feliz quando descubro que existiram pessoas que fizeram a diferença naquela época e tentaram lutar pelo o que era certo. Por isso saber que John Brown realmente existiu fez toda diferença. Parece ser um livro incrível, não vejo a hora de ler. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Achei bem legal o fato do John Brown ter realmente existido e o livro ter te deixado curiosa para saber como ele foi na verdade a ponto de ir pesquisar. E eu realmente te entendo por se surpreender com o linguajar informal, também não esperaria isso desse livro. Com certeza não esperaria também que o livro proporcionasse mais risadas que cenas emocionantes... não é uma história que me atrai completamente, mas leria se tivesse oportunidade.

    Beijo.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  15. oii, tudo bem?
    Nossa adorei a sua forma de escrever resenha, situando o leitor no tempo histórico em que se passa a história, faz com que desperte ainda mais nosso interesse pela leitura do livro em questão. Gostei tambem do fato da autora pegar um personagem que realmente existiu e coloca-lo em uma história de ficcão.
    Achei o livro super interessante e estou curiosa para ler principalmente por se tratar de um livro de época e gosto muito de encontrar essa pegada nos livros.
    bjs :)
    http://leiturasdamary.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Nossa, sou apaixonado por história e descobrir que alguém que realmente existiu é personagem nesse livro me fez querer lê-lo tipo...AGORA. Valeu pela resenha, abraçoo!

    ResponderExcluir
  17. Oie,

    Fiquei apaixonada pela capa e saber que ele pode ser comparado com O sol é para todos, outro livro que eu quero muito ler me deixou mega curiosa! Um garoto se passar por uma menina poderia ser uma história infantil, mas pelo que percebi foi muito mais além disso! Com certeza será uma das minhas futuras leituras!

    Mayla

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim.
Leio todos os comentários, mesmo que nos posts mais antigos. Responderei seu comentário aqui nesse mesmo post. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados