sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Resenha: livro "20 e poucos anos", Linda Papadopoulos

 Olá pessoal, tudo bem? O livro da resenha de hoje é "20 e poucos anos", escrito pela Linda Papadopoulos e publicado no Brasil em 2015 pela Editora Gente.

Resenha, livro, 20 e poucos anos, Linda Papadopoulos, Gente, quotes, trechos, opinião, feminismo, e-book

 A vida é um produto de suas decisões, e sua capacidade de tomar boas decisões é governada por suas crenças e pela maneira como pensa sobre si mesma e sobre o mundo ao redor. (página 15)

 Quando vi o livro entre os lançamentos e quando o tive em minhas mãos, confesso que não esperava muito dele. Achei a capa bem bonita e achei que talvez pudesse ter algo de interessante para mim por ser destinado principalmente (mas não exclusivamente) para mulheres na casa dos 20 anos (minha faixa etária), mas sinceramente não esperava estar aqui escrevendo essa resenha e dizendo tão enfaticamente para vocês lerem esse livro o mais rápido possível!

 O fato de ele ser classificado como autoajuda provavelmente já espantaria alguns leitores que tem preconceito com esse gênero; se você se enquadra nesse time, sugiro que mesmo assim continue lendo essa resenha (não vai gastar nem 5 minutinhos) e leia as citações que selecionei com atenção, só elas já valeriam para tornar o livro uma leitura recomendada.

 Por que eu gostei tanto do livro? Por que estou recomendando-o? Afinal, sobre o quê ele fala?

 Primeiramente, em se tratando de um livro de autoajuda, precisamos saber quem o escreveu. A autora Linda Papadopoulos é uma renomada psicóloga do Reino Unido e, entre outras coisas, colunista  da edição inglesa da revista feminina Cosmopolitan.

 Inicialmente, o livro fala sobre a vida das mulheres entre os 20 e os 30 anos, época em que para muitas são tomadas importantes decisões que afetarão toda a sua vida. Mas a obra vai muito além disso, é um retrato do que é ser mulher nos dias atuais, levando-se em conta toda a carga histórica que nossa sociedade carrega.

 O livro é dividido em 8 capítulos (Vidas perfeitas; Estou bonita?; Eu on-line, eu off-line: quem devo ser?; A necessidade de agradar; Supersexualizaram-me; Evitando o bullying; Ser independente e A crise dos 25 anos e o medo de envelhecer), cada um com uma temática que volta e meia se interliga com os capítulos anteriores. Destacarei os pontos que mais me chamaram a atenção e sobre os quais gostaria de conversar com vocês.

 Atualmente, há a ideia equivocada de que temos que dar conta de tudo: trabalho, estudos, casa, família e ainda estarmos sempre bonitas, há a ideia de que temos que ter tudo e que as mulheres que aparentemente conseguem conciliar todas as áreas da sua vida fazem isso sem esforço, mas como disse são ideias totalmente equivocadas. Com as conquistas que as mulheres alcançaram nos últimos séculos (direito de estudar, de trabalhar, de votar e de se candidatar, entre outros), nós podemos fazer praticamente tudo, o que não significa que temos que obrigatoriamente fazer tudo.

 Para constar, sou feminista. Tenho consciência de que essa palavra está carregada de juízos de valor, contaminada pela ideologia política e social e, por ironia, é usada como arma por e contra as mulheres a fim de que se sintam como se não soubessem o que é melhor para elas. Para mim, feminismo tem a ver com igualdade; não se trata de um movimento concebido para substituir o patriarcado pelo matriarcado. E sou feminista por um simples motivo: não acredito que o gênero deve determinar a humanidade de alguém. (página 20)

 Outro ponto que chamou minha atenção foi como muitas vezes somos enganados pela mídia, que nos mostra imagens manipuladas de mulheres. Por exemplo, a foto de uma top model em uma revista, com uma barriga super reta, talvez a barriga da modelo realmente seja daquele jeito, mas a imagem é manipulada em programas de edição em outros pontos, para disfarçar os braços esqueléticos, as maçãs do rosto saltadas, os ossos que ligam o ombro ao pescoço (acho que o nome é clavícula) super aparentes, ou seja, somos bombardeados (mesmo que inconscientemente) com ideias de beleza que são impossíveis, que não são reais. Isso, de certa forma, também vale para as redes sociais tão usadas por nós, onde não vemos a vida real de nossos amigos e conhecidos, e sim o que eles querem mostrar.

 Imagine somente homens esbeltos e atraentes na TV - sem nenhum daqueles jornalistas instruídos, líderes empresariais ou políticos, nenhum daqueles atores ou músicos sérios -, apenas jovens, magros e bonitos. Agora, pense no impacto que essas imagens causariam nas expectativas masculinas - como distorceriam a noção de sucesso e valor dos homens. É isso o que temos feito com as mulheres há décadas. E isso tem que parar.  (página 50)

 Onde estão os editoriais sobre as incríveis mulheres cientistas e exploradoras? Onde estão as glórias para as equipes esportivas do sexo feminino? Por que não comemoramos as jovens ativistas que estão por aí procurando mudar o mundo? Precisamos transformar a maneira como celebramos as mulheres, e logo, ou correremos o risco de reduzir o valor de toda uma geração de mulheres a seus aspectos mais superficiais e carentes de sentido. (página 86)

 Há poucos anos, tenho me tornado mais consciente sobre a sociedade machista em que vivemos. Como li recentemente em algum lugar, ninguém nasce totalmente consciente das desigualdades e dos preconceitos da sociedade, é algo que vamos compreendendo ao longo da vida. Eu não entendia muito bem o que era objetificação, e creio que compreender mais sobre o assunto foi um dos principais aprendizados que o livro me trouxe.

objetificação, Resenha, livro, 20 e poucos anos, Linda Papadopoulos, Gente, quotes, trechos, opinião, feminismo, e-book

 Naturalmente, não há nada de errado em experimentar o desejo por alguém - em querer que alguém seja atraído por você. A diferença aqui é que, por meio da objetificação, os pensamentos, os sentimentos e mesmo a identidade de uma pessoas são ignorados. Assim, torna-se irrelevante se uma pessoa deseja ou não atenção - tudo o que importa é que ela é sexy; e, em última análise presume-se que ela quer a atenção. (página 130)

 O livro também fala sobre o momento de sair da casa dos pais e o momento de voltar quando as coisas não dão muito certo, fala sobre como surgiu a ideia de que mulheres são desunidas e que devem competir entre si, entre outras coisas, sempre embasado em estudos e artigos sobre o tema (no final do livro há quase 30 páginas só com as referências dos artigos pesquisados e citados) e na história da humanidade.

 Além disso, a escrita da autora é ótima e de fácil compreensão, o que permite uma leitura fluida. A capa é realmente bonita, as páginas são amareladas e a revisão e a diagramação estão boas.

Resenha, livro, 20 e poucos anos, Linda Papadopoulos, Gente, quotes, trechos, opinião, feminismo, e-book, capa
sinopse, Resenha, livro, 20 e poucos anos, Linda Papadopoulos, Gente, quotes, trechos, opinião, feminismo, e-book

 Enfim, o principal motivo de eu estar aqui indicando a leitura de "20 e poucos anos" é que imagino (e também constato ao observar as mulheres ao meu redor e nas redes sociais) que hoje mesmo muitas mulheres estejam sofrendo caladas e, mesmo que inconscientemente, se perguntando o quê fizeram ou estão fazendo de errado para não terem o trabalho, a família, o relacionamento ou o corpo que os padrões distorcidos da sociedade dizem que elas deveriam ter. Muitas mulheres podem estar praticando ou sofrendo com o slut-shaming, sofrendo ou apoiando bullying com outras mulheres, tentando ganhar o reconhecimento de outras pessoas por vias erradas e prejudiciais (inclusive para a própria saúde).

 Como disse anteriormente, não nasci consciente das conceitos e atitudes erradas que eu tinha sobre o que é ser mulher na sociedade atual, mas fui compreendendo as coisas aos poucos, e isso me ajudou muito a ter uma vida melhor. Para mim, a ajuda veio através de textos em sites e blogs, de páginas no Facebook como Kaol Porfírio (e sua ilustrações lindas de Fight Like a Girl), Empodere Duas MulheresArquivos FeministasMulheres InvisíveisBlogueiras feministas e de grupos como o Leitores DDM e Nerdfighters Feministas. Para muitas outras mulheres, "20 e poucos anos" pode ser uma ajuda valiosíssima. Posso não concordar com 100% do que está no livro, mas concordo com pelo menos 95%, e ter opiniões diferentes é um ponto importante para refletirmos sobre o assunto.

 Eu poderia ficar falando sobre o livro por horas, mas prometi que não levaria nem 5 minutos para a leitura da resenha e não quero estourar o tempo. Obrigada Linda Papadopoulos! Obrigada Editora Gente! Recomento o livro não só para mulheres de 20 e poucos anos, mas também para mulheres de todas as idades e também para os homens.

 Detalhes: 256 páginas, ISBN-13: 9788545200338, Skoob. Onde comprar online: Americanas, Submarino, Saraivaloja da editora. É possível ler alguns capítulos no Google Livros, é só clicar aqui, recomendo a leitura!

 Termino a resenha com uma das minhas citações favoritas do livro. Por hoje é só, espero que vocês tenham gostado do post.

 Portanto, podemos mudar as coisas, mas é muito, muito importante que, primeiro, tomemos consciência delas. Quando vir algo que não parece certo, fale sobre isso, tuíte sobre isso, escreva sobre isso - e faça-o ciente de que todas as grandes mudanças que tiveram lugar no mundo em termos de igualdade e justiça aconteceram porque indivíduos tiveram coragem e paixão para questionar o que a sociedade havia decidido ser normal. (página 141)

Participe das promoções do blog:


Até o próximo post!

Me acompanhem nas redes sociais:
 twitterfacebook | G+SkoobGoodreadsBloglovin (receba os posts do blog no seu e-mail)| Instagram.

17 comentários:

  1. Nossa, que resenha foi essa? Amei mesmo de verdade! Não conhecia esse livro, mas agora quero muito ler, pois ela deve ser, ótimo!

    ResponderExcluir
  2. Oi Mari,
    Não curto auto ajuda e não curti a capa do livro,
    mas a sua resenha me convenceu, fiquei querendo fazer essa leitura.
    Ainda mais percebendo que a autora trata de coisas como feminismo
    que eu considero muito importante.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Nossa! Que livro bonito... Já quero ele em minha estante. :p
    Já li livros intitulado ao público feminino e isso eu não me importo nenhum pouco que falem de mim, pois a literatura é pública e todos podemos ler o que queremos. :)

    Atenciosamente Um baixinho nos Livros.

    ResponderExcluir
  4. Olá Mari. Não sou um grande fã de livros de auto-ajuda. Mas sou um admirador,pois alguns,no caso deste,traz pontos muito importantes sobre a sociedade ainda vê a mulher,e sobre como elas próprias se vêem. Pra quem curte o gênero parece ser sim um ótimo livro.
    Adorei sua resenha e o blog.
    Bj

    http://estantelivrainos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Apesar de achar o tema tratado neste livro super interessante, não leria o livro por ser um gênero que eu não gosto e que não se encaixa muito na minha vida, pelo menos agora.

    Beijos
    http://ummundochamadolivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. achei interessante o fato da autora embasar suas opiniões em artigos e afins, pois muitos escrevem 'no vazio', e derramam no leitor informações sem consistência alguma... pelo jeito, esse livro foge à essa regra, e isso é bom, mas apesar da temática que ele traz, não me empolguei pra fazer a leitura... e não gostei da capa, é que não sou lá fã de rosa rsrssr
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia a obra, mas depois de sua resenha fiquei bastante interessada.
    Acho o tema interessante e adorei sua resenha. Realmente a sociedade quer que a gente siga um padrão, mas sabemos que não é assim. Cada pessoa é única.
    A capa é linda ;)

    Beijos
    Leitora Sempre

    ResponderExcluir
  8. Oie, tudo bem? Sua resenha ficou particularmente incrível. Ainda não conhecia o livro, mas fiquei muito curiosa para ler. Para mudar as coisas precisamos ter coragem, não somente vontade, mas determinação e força, pois muitas pessoas pensam diferente, mas não agem, concorda? Beijos, Érika

    >> www.queroseralice.com.br <<

    ResponderExcluir
  9. Oiii
    Muito bom esse livro hem!! Acho muito válido esse tipo de leitura. Sempre tem alguém se sentindo perdida, muitas vezes o livro da um up! Muito importante a autora citar a manipulação da mídia!
    Bjus
    Bjus

    ResponderExcluir
  10. Oie tudo bem? Não sou muito fã de auto ajuda, mas alguns me chamam muito a atenção, como este. Achei diferente, gostei de saber que a escrita da autora é de fácil entendimento. Quero ler pra ontem!

    ResponderExcluir
  11. Oi, moça! Tudo bem?
    Bom, eu estou bastante encantado com a sua resenha, informações bastante curiosas a respeito, citações maravilhosas, comentários maravilhosos, parabéns! Realmente eu já estou louco para conhecer a escrita da autora, parece ser bem bacana pelos teus comentários, não sei por quê não solicitei este livro uma época atrás para a Gente, acho que deve ter sido porque nunca li nenhuma resenha sobre, mas enfim, eu amei demais os seus comentários e adorei ver que você mencionou pontos reflexivos, já quero, viu? <3
    Carpe diem,
    http://www.entreutopias.com/

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Primeira resenha que li sobre o livro. Gostei bastante. Já tinha visto e ficado com vontade de ler, mas acabei não anotando e agora que li a resenha me interessei por ele mais ainda. É um tema muito interessante.

    Beijinhoss...
    http://estantedalullys.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Olá! Logo de inicio a capa do livro me chamou a atenção, é realmente muito bonita.
    Gostei muito da história, me considero feminista também e sei que muitas vezes somos interpretadas de forma equivocada.
    Li um livro recentemente, chamado "A Ditadura da Beleza" do psicólogo Augusto Cury, que trata justamente desse assunto. O padrão que nos é imposto pela sociedade, como se fossemos obrigadas à algo.
    Precisamos nos valorizar como somos, lindas de qualquer jeito. Gosto de dizer que ninguém paga minhas contas e diante disso não tem o direito de opinar na minha vida, haha.
    Quero muito adquirir esse livro, valeu pela dica!
    Beijos, Lara.
    http://www.imperio-imaginario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Oie
    deve memso ser uma leitura fácil e divertida, bem interessante o tema e adorei a resenha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Achei mega interessante este livro, irei recomendar á todas as mulheres que estão nessa casa dos 20, acho que vai ajudar bastante elas!

    Abraços e até!

    http://lendoferozmente.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Eu não sou de ler autoajuda, já li mas não consigo entender a generalização, é como signos você pega uma formula e usa para agradar todos que leem. Mas gostei dos pontos abordados na resenha, especialmente sobre o bombardeio de desejos inalcançáveis como beleza, vida e etc...
    Parece um excelente livro para que eu possa presentear. Obrgada pela resenha.
    Angel Sakura
    www.euinsisto.com.br

    ResponderExcluir
  17. Então, não é bem o que eu gosto de ler. Acho que pra quem gosta desse tipo deve ser uma leitura que vale muito a pena, mas não é bem o que eu quero ler no momento.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim.
Leio todos os comentários, mesmo que nos posts mais antigos. Responderei seu comentário aqui nesse mesmo post. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados