Resenha: livro “Liturgia do fim”, Marilia Arnaud

 Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje, venho comentar sobre a minha experiência de leitura com o livro “Liturgia do fim”, escrito pela paraibana Marilia Arnaud e publicado em 2016 pela Editora Tordesilhas.

Resenha, livro, Liturgia-do-fim, Marilia-Arnaud, editora-tordesilhas, literatura-nacional, escritora-paraibana, capa, fotos, critica, opiniao, relações-familiares, trechos

 “Voltei para juntar os cacos dos dias partidos, manchados de terra e sangue, para recolher fragmentos de vidas atrás das portas fechadas e, com mãos pacientes, compor o mosaico de ontens irrevelados.” (página 74)

 No livro, Inácio conta a sua história. Ele era um escritor que deixou mulher e filha na cidade e voltou para Perdição, povoado onde nasceu e morou até mais ou menos os dezoito anos, quando foi expulso de casa pelo pai. No decorrer dos capítulos, vemos que a infância de Inácio teve seus momentos bons: o carinho da mãe, a vida simples do interior, a diversão com as irmãs e o primo, mas toda essa infância e adolescência estavam sob o peso do autoritarismo do pai, um homem que causava medo nos filhos e em que nenhum momento parecia demonstrar gostar de Inácio. Qual o motivo do desprezo do pai pelo filho? Será que, ao voltar após mais de trinta anos longe da casa da família, Inácio conseguiria entender isso e superar a “violência” da falta de amor paterna que marcou toda a sua vida? Ou o leitor descobrirá que a causa do desajuste de Inácio é outra?

 “Em nome desse Deus e amparado em lendas bíblica, alegorias crísticas, salmos, versículos, novenas, terços, penitências, criaste teus filhos com severidade e frieza, mas comigo, pai, especialmente comigo, por razões que me eram obscuras, ias além” (página 67)

 “Liturgia do fim” tem uma escrita bem elaborada, a autora desenha com as palavras, usa de simbologias e faz muitas referências, é uma escrita quase poética, proporcionando uma leitura fluida. Por não ter um elevado número de páginas, pode ser lido rapidamente.

 O narrador é um personagem que desperta sentimentos controversos. Inácio é imperfeito e fez muitas coisas condenáveis (não me refiro ao “segredo” dele, mas sim a suas atitudes, especialmente no casamento), por outro lado, a forma como seu pai tratava a família, algo que infelizmente não é exclusivo da ficção, e os dramas pelos quais Inácio passou, talvez justifiquem um pouco a sua “melancolia”, a sua falta de rumos e o fato de deixar que os outros, ilusoriamente, decidissem por ele. Inácio sofreu, isso é inegável, e passou por uma situação bem polêmica que transformou-o em uma pessoa incompleta, marcada. Não contarei que situação foi essa, mas foi algo de que suspeitei desde antes da confirmação na leitura.

 Um ponto que me agradou enquanto lia, foi a descrição na vida do interior; eu morei na roça durante uma parte da minha vida, então, era encantador ler sobre a natureza, os animais e a produção do mel e o manejo das abelhas (área em que minha família também atuou). Acredito que a autora deve ter feito uma boa pesquisa para escrever sobre o tema com propriedade.

Resenha, livro, Liturgia-do-fim, Marilia-Arnaud, editora-tordesilhas, literatura-nacional, escritora-paraibana, capa, fotos, critica, opiniao, relações-familiares, trechos, capa
Resenha, livro, Liturgia-do-fim, Marilia-Arnaud, editora-tordesilhas, literatura-nacional, escritora-paraibana, capa, fotos, critica, opiniao, relações-familiares, trechos, contracapa
Resenha, livro, Liturgia-do-fim, Marilia-Arnaud, editora-tordesilhas, literatura-nacional, escritora-paraibana, capa, fotos,

 Sobre a edição: a capa, com essa representação de uma casa simples, me agradou; as páginas são amareladas, não encontrei erros de revisão e a diagramação traz margens, letras e espaçamento de bom tamanho.

 Enfim, agradeço à editora Tordesilhas por ter enviado o livro para resenha no blog e recomendo a leitura de “Liturgia do fim”, pois vocês merecem conhecer a bela escrita de Marilia Arnaud, uma escritora brasileira de quem já me tornei fã. Ressalto que a obra aborda um tema polêmico, que pode chocar algumas pessoas, mas certamente se tornará uma leitura marcante, pelos seus cenários e personagens.

 “Eu só queria sonhar, pai, e sonhar ainda, e sonhar sempre, porque o homem, quando sonha, é um deus, é não é nada quando usurpam a única coisa que redime toda a miséria humana, o mel da vida. Pois não foste tu que inventaste as abelhas tão somente para sonhar, pai?” (página 86)

 Detalhes: 152 páginas, ISBN: 978-85-8419-043-0, Skoob, leia um trecho. Onde comprar online: loja da editora.

 Por hoje é só, espero que tenham gostado do post. Me contem: já conheciam o livro ou a autora?

Até o próximo post!

Me acompanhem nas redes sociais:
 twitterfacebook | G+SkoobInstagramYouTube| Snapchat: marijleite_pdl
8 comentários via Blogger
comentários via Facebook

8 comentários

  1. Oiii!!

    Nada mais me encanta que um autor que pesquisa sobre o que está escrevendo. Não conhecia a obra e fiquei feliz em ler sua resenha, parece ser um livro leve e encantador, tudo o que eu mais gosto!
    A capa está linda e você conseguiu me convencer a ler!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Ainda não tive o prazer de conhecer essa autora, mas espero ter a oportunidade de poder ler esse livyem breve. Principalmente porque fiquei numa curiosidade para saber qual é a polêmica envolvendo esse enredo que você mencionou.
    Beijos!
    www.gatitaecia.Blogspot.com.br
    Está rolando sorteios! Aproveite!

    ResponderExcluir
  3. Olá! Realmente não deve ter sido fácil para o personagem deixar mulher e filha e, ainda, ter um pai que que o despreza. Como você disse bem, essas situações não estão fora do que acontece na realidade. Adoro livros com escrita poética e, se fluida então, melhor ainda!
    Beijos!
    Karla Samira
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oiee ^^
    Eu sonho em morar na roça quando aposentar...haha' nem comecei a trabalhar, mas já faço planos pra quando acabar.
    Ainda não conhecia esse livro, mas a premissa dele não me chamou muito a atenção. Acontece que este não é o tipo de livro que eu estou querendo ler no momento... Mas eu vou deixar o título anotado :)
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? Eu não conhecia o livro, nem a autora, mas confesso que a história não me cativou muito. Porém, fiquei curiosa para saber quais assuntos polêmicos ele aborda e gostei de saber que a autora possui uma escrita quase poética, acho muito interessante. Beijos!!

    ourbravenewblog.weebly.com

    ResponderExcluir
  6. Eu não conhecia a obra ainda, gostei da premissa. Adoro quando os autores descrevem o ambiente, mas espero que não seja nada muito cansativo e repetitivo, tem uns que fazem isso, rs.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Maria.

    Confesso que não conhecia o livro e adorei a sua resenha porque mencionou que o autor descreve a vida no interior. As vezes vou na roça visitar parente do meu marido e são momentos ótimos e relaxantes. Então o livro parece que vale a pena conferir e encontrar descrições sobre a natureza e os animais. Dica anotada com muito carinho.

    Bjos
    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    Não conhecia o livro e achei interessante o tema abordado no livro: a falta de amor de um pai para o filho. Fiquei bem curiosa para saber o motivo disso e parece ser um livro muito bom, já que foi recomendado por ti.
    Beijos,
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados

Topo